#UnibEntrevista Prof.ª Maria Lucia Morrone e suas três décadas na Universidade Ibirapuera

Autor(a):

Em março de 1987, a Prof.ª Maria Lucia Morrone começou a lecionar na Universidade Ibirapuera. Depois de 30 anos, sua presença continua confirmada nas salas de aula do curso de Pedagogia.

Para celebrar um número tão significativo, batemos um papo com a docente sobre a publicação de seu artigo na Revista da Universidade Ibirapuera, a carreira na área da educação e sua vivência em nossa instituição.

Gostaríamos de agradecer o Prof. Alan Almario, Diretor Acadêmico, pela indicação e orientações, e a docente pelo tempo oferecido ao nosso #UnibEntrevista.

Confira mais entrevistas:

>>>>> #UnibEntrevista Alunos de Ciência da Computação desenvolvem app da Revista da Universidade Ibirapuera

>>>>> #UnibEntrevista Alunas de Psicologia apresentam trabalho no XX Encontro Nacional ABRAPSO

>>>>> #UnibEntrevista Prof.ª Maria Laura MacLennan fala sobre sua participação no Academy of International Busines

>>>>> #UnibEntrevista Prof.ª Camila Forcellini fala sobre o WASM Congress (Chile)

PARTE I – SOBRE O ARTIGO “TRANSFERÊNCIA COMPULSÓRIA NO REGIMENTO ESCOLAR: UM IMPASSE NA EDUCAÇÃO BÁSICA”

Como surgiu a ideia de fazer um artigo sobre transferência compulsória?
Assisti algumas sessões no Conselho Estadual de Educação, em 2019, quando o tema estava em pauta. Alguns conselheiros a favor e outros contra. Após a aprovação final da INDICAÇÃO CEE 175/2019 que trata do “ Regimento Escolar e o direito à educação e à aprendizagem: a transferência por questões disciplinares como medida educativa de caráter excepcional” (publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo, em 19/04/2019, pg. 30 e 31) preocupou-me como procederiam, a respeito, tanto as escolas públicas quanto privadas. A transferência compulsória poderá excluir o aluno da educação básica. Temos que trabalhar enquanto profissionais da educação pela inclusão. Por essa razão resolvi escrever o artigo, para divulgar aos leitores a importância do processo educativo pela inclusão, e não exclusão.

Qual é o seu maior objetivo com relação ao artigo?
O artigo fundamentado em publicações científicas, jurídicas e na legislação vigente tem por objetivo demonstrar que a aplicação desta medida disciplinar pode prevalecer num impasse e incidir tendencialmente em sanção punitiva, interferindo no processo educacional, que é a função social da escola. Esclareço que o objetivo está em consonância com o tema “Direitos Humanos na Educação”, tendo por hipótese que a aplicação da transferência compulsória inserida no Regimento Escolar da Educação Básica no Estado de São Paulo tende ao impasse, prevalecendo a tendência punitiva sobre a educacional, na medida em que pode incidir na exclusão do direito do aluno à permanência no sistema escolar, o qual tem por finalidade a formação integral e humanística do aluno, para o desenvolvimento de sua cidadania responsável e participativa, na sociedade em que está inserido.

Quais foram as fontes revisitadas?
Quanto as fontes revisitadas destaco as publicações científicas, jurídicas e a legislação vigente, que fundamentam a tese, reafirmando a hipótese, no desenvolvimento do artigo publicado na Revista da Universidade Ibirapuera, indicadas como referências no final do mesmo.

O artigo está publicado na última edição da Revista da Universidade Ibirapuera. Por que você optou pelo periódico da instituição?
Esse foi o meu primeiro artigo publicado na Revista da Universidade Ibirapuera e fiz a opção para contribuir devido a importância que o periódico tem para a Universidade e, por sentir a necessidade de integrar-me a outros autores de excelentes artigos, assim como à valorização do curso de Pedagogia, no qual sou docente, mas também da Universidade, enfatizando a importância do processo educacional pela inclusão. Senti-me muito honrada e feliz pelo aceite à publicação do artigo. Espero contribuir com outros.

Quais artigos, livros ou outros trabalhos desenvolvidos por você estão publicados?
Eu faço parte da ANPAE (Associação Nacional de Pesquisadores de Administração Educação). Para consultar as minhas publicações coloco a disposição o endereço do meu currículo lattes. Destaco, no entanto, algumas publicações mais recentes:

PUBLICAÇÕES EM ANAIS DA ANPAE

MORRONE, Maria Lucia; CESANA, Marina Ranieri. Programa Universidade Para todos: Tendências e Perspectivas. In: VI Congresso Íbero Americano de Política e Administração da Educação/IX Congresso Luso-Brasileiro de Política e Administração da Educação. Universidad de Lleida, Espanha, 2018.

MORRONE, Maria Lucia; CESANA, Marina Ranieri. Residência Educacional: Nova Diretriz para os Estágios Supervisionados nos Cursos de Licenciatura. In: VIII Simpósio Internacional o Estado e as Políticas Educacionais no Tempo Presente – X Seminário Regional da ANAPAE SUDESTE – Encontro Estadual da ANPAE/MG, Universidade Federal de Uberlândia, 2016.

MORRONE, Maria Lucia; CESANA, Marina Ranieri. O Exame Nacional do Ensino Médio e seus pressupostos. In: IV Congresso Íbero Americano de Política e Administração da Educação/VII Congresso Luso-Brasileiro de Política e Administração da Educação. Escola Superior de Educação (ESE) e Instituto Politécnico do Porto (IPP). Portugal, 2014.

MORRONE, Maria Lucia. Prova Brasil no Contexto das Políticas Educacionais. In: XII Encontro Estadual da ANPAE – SP/ VIII Encontro Regional da ANPAE Sudeste. Brasil, PUC/CAMPINAS e UNICAMP. 2012.

PUBLICAÇÃO EM ANAIS DO III COLÓQUIO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE QUESTÕES CURRICULARES – Cabo Verde, 2017.

MORRONE, Maria Lucia; CESANA, Marina Ranieri. Introdução aos Estudos Culturais Africanos e Indígenas na Educação Básica do Brasil: Descolonização Curricular e Formação Docente. In: III Colóquio Luso-Afro-Brasileiro de Questões Curriculares. Cabo Verde, 2017.

PUBLICAÇÃO DE ARTIGO EM E-BOOK

MORRONE, Maria Lucia. Formação Inicial e Continuada do Pedagogo: Da Teoria à Prática. Ponta Grossa, Paraná: Atena Editora: 2019, p: 40-50

Qual é o seu maior desafio com relação às suas obras?
Não tenho livros publicados. Esse é o maior desafio, porque com a tecnologia, os livros digitais ocuparam o espaço dos impressos. Tenho trabalhos publicados em Anais de participação em eventos e capítulos em e-book da Editora Atena. Não é fácil publicar uma obra sem financiamento. Todos os meus trabalhos foram e são publicados sem financiamento algum. No entanto, gosto de escrever e participar de Simpósios e/ou Congressos. O maior desafio mesmo é formar e/ou participar de grupos de pesquisa, para publicação de trabalhos, sobre temáticas que sejam de relevância social e educacional.

Qual é a dica que você tem para aqueles que querem seguir o mesmo caminho?
A minha sugestão é a contínua participação em Simpósios e Congressos Nacionais e Internacionais, sempre que possível. Importante para atualização e ampliação de horizontes profissionais. A integração em grupos de pesquisa é relevante para atualização e formar parcerias para publicações. O mais importante, porém, é gostar de atuar na área educacional.

PARTE II – SOBRE SUA VIVÊNCIA NA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA

Você entrou em 1987 na Universidade Ibirapuera. Por que escolheu a instituição?
A Universidade Ibirapuera foi a primeira instituição de Ensino Superior na qual ingressei como docente, lecionando no curso de História. Entrei mediante apresentação de currículo. Depois de alguns anos fui convidada a continuar como docente no curso de Pedagogia. Por currículo, na verdade, foi a instituição que me escolheu, mas nela permaneci por desejo próprio tendo em vista a minha empatia com os cursos nos quais lecionei e trabalhos de equipe dos quais fui convidada e pude participar.

Quais disciplinas você já ministrou em mais de 30 anos na UNIB?
A) Quando tinha o Curso de História: História do Brasil, História Moderna e Contemporânea, Didática no Ensino de História, Estágio Supervisionado e Prática de Ensino.
B) No Curso de Pedagogia: História da Educação; Filosofia da Educação; Fundamentos Teóricos e Metodológicos de História e Geografia (atualmente Ciências Sociais); Organização Social e Política do Brasil; Didática; Estágio Supervisionado; Trabalho de Conclusão de Curso (TCC); Fundamentos Teóricos e Metodológicos de Educação Infantil; Práticas Pedagógicas.

Recebi também nesses trinta anos o convite de coordenadores de outros cursos para lecionar, os quais a seguir são especificados com as respectivas disciplinas:
C) Administração: Disciplina – Ética Profissional
D) Educação Física: Disciplina – Fundamentos Teóricos e Metodológicos de Educação Física.
E) Marketing: Educação Inclusiva (este 100% EAD)
F) Ciências Contábeis: Educação para Relações Étnico-Raciais (este 100% EAD).
G) Curso de Pós-Graduação em Gestão Acadêmica e Universitária – Disciplina: Realidade e Cenários Educacionais. Aula ministrada aos coordenadores de Graduação da Universidade Ibirapuera em 15/04/2014, a convite do Prof. Alan Almario, Diretor Acadêmico.

Cursos de Extensão na Universidade Ibirapuera em 2019 para o curso de Pedagogia: 
A) Introdução à BNCC (Base Nacional Comum Curricular) na Educação Básica. Carga Horária Total de 10 horas.
B) Normas Científicas para Projetos de Pesquisa. Carga Horária Total de 10 horas.
OBS: Foi a primeira vez, no ano de 2019, que apresentei Projetos de Cursos de Extensão do curso de Pedagogia. Considero gratificante a excelente participação dos alunos que se dispuseram a participar em dois sábados dos cursos.
Recebi convites também para participar de bancas de avaliação de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC).

Quais mudanças na instituição você conseguiu ver de perto?
Mudanças na mantenedora e superação de momentos difíceis, os quais todas as IES privadas têm passado, nesses últimos anos. No entanto, a superação dos mesmos afirma-se a cada ano, para que a UNIB se torne uma IES de renome. A grande conquista, especialmente para Pedagogia, é o Mestrado em Educação e a integração dos Professores do Mestrado com os de Graduação. Ampliação dos Cursos EAD também tem sido o norte da UNIB, assim como os cursos de Segunda Licenciatura.

Muitos alunos já passaram na sua sala. Você gosta de manter contato com eles?
Gosto muito para tomar conhecimento dos rumos profissionais de cada um deles, especialmente na área da Educação. Sobre alguns que já foram meus alunos, eu tenho notícias pelos atuais. Considero isso muito gratificante.

Existe um segredo para lecionar em uma instituição privada?
Penso que não há segredo algum para lecionar em uma instituição privada. O importante é estabelecer relações éticas, espírito de equipe e de respeito mútuo. Aprofundar laços de empatia e alteridade. Escutar, dialogar e compartilhar conhecimentos são atitudes imprescindíveis a nós enquanto profissionais, seja de qual área for.

Na sua opinião, quais são os principais diferenciais da UNIB?
Como utilizo mais a biblioteca, considero que a sua estrutura é um dos diferenciais. Funcionários da mesma, sempre prestativos às nossas solicitações e que procuram constante atualização e aperfeiçoamento no setor. O site sempre atualizado e didático à comunicação. As redes sociais contribuem para divulgação da Universidade e dos vários eventos que nela acontecem. Relacionamento entre coordenadores e docentes com a preocupação de valorização dos diferentes cursos, mas também com o objetivo de estabelecer maior integração. Reuniões de Representantes de Classe com Coordenadores, considero um diferencial também muito importante à participação do(s) educando(s).

PARTE III – SOBRE A SUA CARREIRA

Você conseguiria listar as principais diferenças no ensino dos anos 60 e no ano de 2020?
Destaco, entre outras, as seguintes transformações, nos tempos atuais, especialmente para 2020:
A) O educando destaca-se por ser mais participativo, questionador e criativo. O docente deve estar aberto a essa percepção.
B) O avanço da tecnologia educacional tem promovido uma drástica mudança no que denominamos “sala da aula”. Esta não deve se restringir a quatro paredes. Visitas às instituições culturais, cinema, teatro, participação em seminários, congressos, fazem parte do aprendizado do educando e formação de sua cidadania responsável.
C) O princípio da inclusão deve ser norteador no processo educativo.
D) O docente aprende quando ensina. O processo ensino/aprendizagem deve ser o foco do Projeto Pedagógico das escolas de Educação Básica e do Ensino Superior.
E) Pesquisas não são mais exclusivas das Instituições de Ensino Superior, devem ser incentivadas também nas escolas de Educação Básica.
F) Cursos em EAD tem se expandido no país e o docente deve ser formado e preparado para essa irreversível mudança, primando pela qualidade no processo ensino/aprendizagem.

Quais os desafios que profissionais especializados na área da Educação encontram em nosso país?
Entre os principais desafios encontram-se: a compreensão do processo de globalização e o aprofundamento de estudos sobre a Educação Brasileira comparada com a de outros países; o desenvolvimento do trabalho interdisciplinar, que se torna extremamente necessário; a tecnologia e sua inserção no sistema educacional, que deve ser considerada como uma mediadora no processo ensino/aprendizagem; a atualização sistemática e constante para revisão de procedimentos metodológicos que se fizerem necessários à aprendizagem e inclusão dos discentes; a expansão dos cursos EAD aos quais os docentes devem ser inseridos com nova percepção de metodologia no processo ensino/aprendizagem; políticas públicas educacionais de valorização do docente e que possam atrair os jovens para a carreira no magistério.

Com mais de cinco décadas construindo sua carreira, quais dicas você tem para aqueles que estão começando?
Com mais de cinco décadas na construção de minha carreira profissional dedicada à Educação, considero importante aprender muito com os meus pares que estão começando. Escutar é o princípio mais importante que devemos estar atentos em nosso relacionamento. Penso que o escutar é uma forma de dialogar. Considero também que temos muito a aprender com nossos alunos. Escutar e dialogar presencialmente. Facebook, Instagram e WhatsApp são formas de comunicação mais ágeis e rápidas. Mas temos que estar atentos, até que ponto, por meio delas, dialogamos com verdadeira empatia entre nossos contatos. No entanto, esclareço que o problema não é a tecnologia, mas a forma como dela nos utilizamos.

Na sua opinião, qual é a importância de um curso como o da Pedagogia?
Considero muito importante o curso de Pedagogia porque deve formar Docentes à Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental, assim como, Coordenador Pedagógico, Orientador Educacional, Diretor de Escola e Supervisor de Ensino, articulando teoria e prática, enfatizando a importância do trabalho coletivo e interdisciplinar às instituições de ensino públicas e privadas. O Curso de Pedagogia deve estar direcionado à formação de docentes, mas também de gestores de políticas públicas educacionais.

Quais são os seus planos para os próximos anos na área do ensino?
Vivo o presente e coloco-me a disposição para continuar contribuindo, enquanto puder, com a Universidade Ibirapuera, seja no Curso de Graduação, Pós-Graduação e/ou Mestrado em Educação, sendo que este foi uma excelente conquista, valorizando a nossa instituição. Pretendo continuar também participando de Simpósios e ou Congressos Nacionais e Internacionais, sempre que possível, para atualização e apresentação de trabalhos que sejam relevantes para a Educação em nosso país.

Considerações finais
Expresso aqui os meus mais sinceros agradecimentos pela possibilidade que me foi ofertada de expressar a minha trajetória pessoal e profissional, concepção sobre Educação e, especialmente, sobre a Universidade Ibirapuera, por todas as oportunidades que me tem oferecido de vivenciar a Educação nesses 31 (trinta e um) anos em que tenho atuado como docente, até 2019. Se considerar 2020, serão 32 (trinta e dois). No entanto, esse período de 31 (trinta e um) anos tem promovido diferenças em minha atuação profissional, porque me disponho sempre a me atualizar e aprender com as mudanças, assim como, contribuir no que me for possível e solicitado.

#insta
This error message is only visible to WordPress admins
Error: No posts found.
#facebook